Blog do GB

Estágio e trainee no Grupo Boticário por quem viveu ambos

24 de setembro de 2020

Por Jenifer Santoro e Gabriel Kolbe

É difícil imaginar a possibilidade de fazer parte de um dos programas de seleção mais concorridos de todo o Brasil, ainda mais em uma das maiores varejistas do país, cuja cadeia abrange o abastecimento de produção, a logística, o varejo, o e-commerce e está presente em mais de quinze países. Mas, à medida que essa possibilidade vai se tornando mais real e próxima de nós, um sentimento ambíguo também cresce. 

Eu sabia exatamente o que fazer. Mas, sendo realista, eu não tinha ideia do que fazer”, uma das frases mais célebres do icônico Michael Scott, da série estadunidense The Office, descreve bem esse sentimento. As certezas se confundem com incertezas, e a segurança vem e vai diversas vezes. E isso é normal. Na verdade, isso é o que faz o programa Geração B ser o que é: uma busca por pessoas que fazem diferente, e não aquilo que seria a alternativa óbvia. Tendo a oportunidade de participar em dois momentos, o estágio e o trainee no Grupo Boticário, nós conseguimos visualizar um pouco o contraste entre essas duas trilhas de crescimento, que, em geral, apesar de seguirem percursos distintos, acabam por se cruzarem ao final, já que ambos têm muita relevância e proporcionam muitos aprendizados. 

Uma das principais diferenças na atuação entre os programas diz respeito ao escopo. Enquanto no estágio existe uma área específica logo na entrada, no trainee, ainda não. Há toda uma rotação e imersão em diversas áreas do negócio antes da alocação em um projeto específico. Isso possibilita a criação de diversos relacionamentos importantes dentro do GB, que valoriza muito essas conexões. Durante o estágio, essa construção de relações também acontece através de diversos projetos complementares, como a JRXP, uma iniciativa autogerida pelos estagiários do Grupo. Acompanhado a essas alianças, há a visibilidade e, evidentemente, responsabilidade: como jovens talentos, temos entregas com alto impacto no negócio e, em todas elas, estamos expostos aos altos níveis de liderança do Grupo.

Na prática, o trainee pede bastante autoconhecimento, que é o que permite se desenvolver, se reinventar e evoluir todos os dias. Coragem também é um elemento fundamental, pois é preciso ousadia (e alegria) para colocar a cara a tapa e vulnerabilidade pra dizer que errou (sim, a curva de aprendizado extremamente acelerada vai te levar a cometer alguns erros durante a jornada). Em resumo, a Geração B tem um grande diferencial: a construção de times e alianças. Seja no estágio ou trainee, fazemos parte de um grupo de pessoas incríveis, dispostas a ajudar e fazer acontecer sempre. E, sem dúvidas, essa é a maior riqueza ao fazer parte deste programa. 

Por isso, vem com a gente! Vem ser Geração B! ;)